CUIDADO COM A COR CINZA NOS AMBIENTES: ELA PRODUZ DEPRESSÃO, INÉRCIA E APATIA PSÍQUICAS

A cor Cinza é expressão  da diminuição  do ser das coisas, e por isso    produz depressão psíquica, em especial na forma de apatia e inércia espirituais. Num ambiente Cinza as coisas são percebidas com o seu ser diminuído, portanto sem o seu dinamismo.  Para o indivíduo cujo psiquismo se encontra sob a influência do Cinza, o dinamismo da realidade é experimentado como ausência de movimentos, como repouso e inércia. Nessa condição, a realidade não flui em direção à vida e às superações, mas em direção à inércia e à indiferença. Nos ambientes a cor Cinza produz inércia, indiferença e apatia.

 Sendo expressão da diminuição do ser, a Cor cinza rouba das coisas o seu movimento e o seu dinamismo. Num ambiente Cinza tudo parece em repouso, estático e inerte, experimentando-se a sensação de que nesse ambiente as ações e as atividades não produzem os seus efeitos, mesmo quando há empenho por parte das pessoas.

 Não havendo movimentos nem impulsos nas coisas, elas parecem paradas, sem produzir ações ou efeitos. No psiquismo do indivíduo essa sensação repercute como inércia. Num ambiente Cinza as pessoas tendem a se comportar pessimistas, como se fosse natural esperar que as coisas não devessem sair como o esperado. 

 As sensações  de inércia e repouso experimentadas como ausência de dinamismo e movimentos nas coisas e nos ambientes, produzem também inércia mental. Num ambiente Cinza o espírito não é excitado para os raciocínios ou intelecções, e quando o faz é com medidas diminutas. Os projetos e os sonhos, por mais viáveis e operacionalmente exequíveis que possam parecer, num ambiente Cinza não excitam o espírito e nem produzem expectativas.   

Deprimindo o espírito e tornando a realidade inerte e sem dinamismo,  a cor Cinza atua sobre o psiquismo humano  produzindo apatia, desânimo e pessimismo ontológicos, que são os fatores que produzem a forma mais grave de depressão psíquica. Nessa condição, nenhum impulso é experimentado vindo de dentro do indivíduo, e nenhuma energia é acusada atuando sobre a sua vontade. Experimenta-se apenas inércia, indiferença e apatia.

Nos objetos, a cor Cinza produz a impressão de que eles perderam as suas qualidades essenciais. Quando se trata de objetos expostos em lojas ou vitrines, eles parecem suspeitos de não oferecer aquilo que se espera deles, e isso vale também para a Comunicação Visual, quando os objetos são anunciados através de figuras ou fotografias na cor Cinza.  Tanto num caso como no outro, a cor Cinza presente no ambiente, no objeto ou no anúncio cria um aspecto de inércia, imobilismo, indiferença e apatia.

Nos ambientes, quando presente em superfícies com dimensões consideráveis, o Cinza atua com um elevado poder de neutralizar as outras cores presentes, descorando-as e enfraquecendo-as com a sua cromática deprimente e mortiça, transferindo para elas os seus aspectos de inércia  e imobilismo. O Cinza rouba  a vida dos objetos onde as  outras cores estão presentes, dissolvendo e anulando os estímulos cromáticos que eles deveriam produzir.

Nas paredes, tetos, fachadas e partes externas das edificações, a tonalidade Cinza produz no psiquismo humano, a sensação de tratar-se de um bloco de concreto, impenetrável a qualquer expressão de vida e movimento, algo que lamentavelmente a moderna Arquitetura escolheu como lugar para as pessoas viverem os seus cotidianos. Nunca é demais insistir nisso, como um alerta para os arquitetos,  designer de interiores, decoradores e comunicadores visuais.   

Trecho tirado do livro “O Efeito Psíquico das Cores nos Ambientes”