SOBRE O EFEITO PSÍQUICO DAS CORES: VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ISSO.

Não existe psiquismo sem percepções, tanto quanto não existe percepção sem ambientes. O que nós somos hoje – depois de 400 milhões de anos de evolução, desde quando deixamos a placenta aquática do oceano primitivo, ainda na forma de anfíbio, no Siluriano – ou seja, esse nosso psiquismo que nos faz ser isso que somos atualmente, foi estruturado com as respostas que as nossas sucessivas espécies deram aos estímulos produzidos pelos ambientes da nossa longa trajetória filogenética.

Mesmo que os extraordinários poderes da nossa mente nos assombrem, e as fantásticas criações da nossa genialidade nos deixam perplexos, assim mesmo tudo isso foi possível através de interações psíquicas com os ambientes pretéritos das progênies que nos sucederam, na longa epopeia da evolução da vida humana.

Mesmo que você não esteja lá – mesmo à revelia das suas percepções – o espaço do quarto ou da cozinha do seu apartamento ou do seu ambiente de trabalho, está impregnado de fótons refletidos com diferentes frequências, que a nossa mente capta em imagens mentais na forma de cores. Cada um desses pacotes de fótons refletidos transporta o seu respectivo quantum de energia, que em Física Quântica, nós físicos chamamos de Energia de Planck, uma descoberta que deu origem à Física Quântica. Esse mesmo fóton cuja energia produz a imagem da cor na mente humana.

 Portanto, os lugares estão repletos de quantum de energia, e em Física isso nos faz acreditar que os nossos ambientes são ambientes energéticos, mesmo que nós não estejamos lá. Então, qualquer coisa que penetre no interior dos nossos ambientes, estará sob os efeitos desse quantum de energia, inclusive nós próprios. São fótons refletidos que vêm das paredes, do teto, dos móveis, dos tapetes, das cortinas e demais objetos. O fóton é o elemento fenomênico emblemático da Física Quântica, um ponto de conexão entre essa ciência e a Psicodinâmica das Cores. 

 Escolher as cores das tintas para o revestimento das paredes da nossa casa, ou escolher os móveis, as cortinas e os tapetes significa escolher as energias que vão atuar sobre o nosso psiquismo, para o nosso bem ou para o nosso mal! Essa energia cromática penetra bem fundo no nosso cérebro, estabelecendo uma cerrada trama de relações psíquicas com a nossa mente, independentemente da nossa preferência por essa ou aquela cor.

  De fato, segundo o Princípio Quântico das Cores – esse é nome que nós damos para esse fundamento epistemológico com base na fenomenologia psíquica produzida pelo fóton refletido – as cores dos nossos ambientes não nos pedem licença para atuar sobre o nosso psiquismo, seja para nos fazer bem ou o mal. Aqui, não se trata de subjetividade psicológica, mas de pura objetividade fenomênica, que é a exigência radical para se fazer ciência. Infelizmente não é isso que se vê por ai, nessas obras místicas sobre o efeito psíquico  das cores, onde as cores podem assumir qualquer significado.

Aquela cor Branco Gelo visualmente dominante na sua sala de trabalho – onde você passa os seus cotidianos visuais – você não sabe, mas ela está fortemente atuando sobre você. E você sabe o que ela está fazendo com o seu psiquismo? Ela está contribuindo para baixar a sua autoestima, ao mesmo tempo em que o induz a confundir as coisas falsas com as coisas verdadeiras, a aceitar o inferior, a se conformar com o menos e a escolher o medíocre. E o pior é que você não sabe que tudo isso está acontecendo com o seu psiquismo!

Isso que nós acabamos de falar sobre o efeito da cor Branco Gelo, é apenas um dos graves malefícios que essa cor é capaz de causar ao psiquismo humano, quando ela é dominante no ambiente. As cores, pois, podem ser uma benção ou uma maldição para o nosso psiquismo, e o aspecto gravíssimo que aqui está sendo posto em relevo, é fato de a nossa geração de arquitetos, designers, decoradores e paisagistas não terem consciência sobre isso.

De fato, por não existir uma Psicodinâmica das Cores com base em fundamentos de ciência, nos cursos de formação universitária são ensinados somente os aspectos funcionais e estéticos das cores, ficando de fora a função psíquica. No nosso programa de pesquisas de 20 anos, no campo da função psíquica dos fótons refletidos sobre o psiquismo humano – pesquisas paralelas aos estudos dos processos quânticos que ocorrem na realidade humana – participaram também cientistas da Rússia e da Alemanha.

Essas pesquisas revelaram que uma Psicodinâmica das Cores só pode  ser cientificamente postulada com base em 5 grandes princípios:

  1. O Princípio Físico das Cores;
  2. O Princípio Quântico das Cores;
  3. O Princípio Filogenético das Cores;
  4. O Princípio Ontológico das Cores;
  5. O Princípio Semiótico das Cores.

No seu conjunto, esses 5 princípios revelam que, atuando sobre o psiquismo humano,  as cores assumem 5 diferentes funções epistemológicas, atuando como:

  1. Energia; 
  2. Fóton Refletido;
  3. Memória;
  4. Processo;
  5. Símbolo.

  Trecho tirado do livro “O Efeito Psíquico das Cores nos Ambientes”