A COR VERDE MUSGO DIMINUI O APETITE

12093673_1481960342106386_1662507186_n
Na história da evolução da vida, para possibilitar a passagem do meio aquático para o novo ambiente terrestre, a inteligibilidade da vida teve que fazer ajustes e modificações no metabolismo e nas funções orgânicas das criaturas, em níveis qualitativo e quantitativo adequados à evolução da vida nesse novo ambiente, deste modo dando origem aos anfíbios e répteis do Siluriano.

Antes das criaturas marinhas emigrarem para a terra seca, a superfície terrestre estava recoberta por uma espessa camada de musgo, para assim assegurar a umidade necessária para evitar o ressecamento da pele dos emigrantes aquáticos.

Ou seja, todo esse processo de ajustes metabólicos ocorreu num ambiente Verde Musgo, e segundo o Princípio Filogenético das Cores, atualmente quando nós vemos essa cor nas paredes e nos móveis dos nossos ambientes, ela produz no nosso psiquismo a sensação da necessidade de selecionar os alimentos e regular a sua quantidade ingerida.

Na memória filogenética da nossa espécie, os registros mnemônicos desses ajustes no regime alimentar ainda estão presentes, e são despertados quando nós nos encontramos num ambiente Verde Musgo. Então, inconscientemente nós somos induzidos a comer pouco.

A ontologia do Verde Musgo está relacionada com  medidas quantitativas adequadas das substâncias alimentares. A natureza impôs regras e medidas à  fisiologia da alimentação, e quando essas regras são violadas  o organismo responde com disfunções na forma de perda ou aumento de peso, entre outras disfunções.

Atuando sobre o psiquismo  humano, o   Verde Musgo excita o mecanismo  regulador  do apetite, e  sob a sua energética  a fisiologia do apetite  torna-se bastante sensível, repercutindo no psiquismo como sensação de estômago cheio. Mesmo quando a comida é deliciosa e o apetite é forte, assim mesmo a energética do Verde Musgo atua produzindo   a sensação de estômago cheio ou de  apetite satisfeito.

É importante ter em mente que o Verde Musgo não inibe o apetite: ele apenas regula a quantidade e a qualidade do alimento ingerido. Num ambiente Verde Musgo, depois de ingeridos os alimentos, o organismo controla para menos a sua quantidade, ajustando-a as necessidades da dieta estabelecida para diminuir o peso. Um ambiente Verde Musgo favorece eficazmente  os regimes de emagrecimento ou de redução  de peso.

Sob a energética do Verde Musgo, o organismo humano dinamiza a sua capacidade de adaptação a novos regimes alimentares, não apenas estabelecendo as medidas quantitativas adequadas, mas também  capacitando-o para a escolha e seleção dos alimentos.

Determinando a justa medida quantitativa para a ingestão  de alimentos, qualquer coisa que o indivíduo venha a comer então passa por esse controle, quando ele se encontra sob a energética do Verde Musgo.  Controlando a quantidade da comida ingerida, também o apetite fica indiretamente controlado, eis o modo positivo como um ambiente Verde Musgo é capaz de inibir o apetite, quando o objetivo é não ganhar peso.

Trecho retirado do livro O Efeito Psíquico das Cores nos Ambientes.